Home

Imagem

Exmo sr. Bolsonaro,

Acompanho há algum tempo as declarações de vossa excelência e sua linha de raciocínio me interessa profundamente. No entanto, talvez pelo tempo limitado dos discursos que tive a oportunidade de assistir, seu pensamento sempre me parece exposto apenas em parte e por isso solicito nessa carta a gentileza de que o senhor me esclareça alguns pontos.

Vossa excelência afirma, por exemplo, que quando “o filho começa a ficar meio gayzinho, leva um coro, muda o comportamento” e que é uma “desgraça para um pai que o filho chegue em casa dizendo que namora o Joãozinho”, porém essas declarações me parecem que necessariamente deveriam ser acompanhadas por argumentos que estão sendo omitidos. Por que o senhor considera isso uma desgraça?

Para não tomar o seu tempo com uma pergunta que eu talvez já conheça a resposta, proponho que apenas me corrija se eu estiver enganado. Acredito que essa sua opinião – e a de todos que concordam com ela – fundamenta-se em princípios religiosos, ou haveria algum outro motivo?Caso eu esteja certo e não exista realmente nenhuma outra causa para a homofobia que não seja religiosa, eu li que o senhor é católico e pesquisei na Bíblia algumas passagens que de fato podem servir de base para os seus discursos, como em Levítico, que diz “Não se deitarás com outro homem como se mulher fosse”. Também aqui não são fornecidas maiores explicações e é a origem divina creditada à Bíblia por seus fiéis que lhe fornece a autoridade necessária. Porém isso me leva a outra questão. O mesmo Levítico diz que se um homem descobre que a mulher com quem casou não é virgem, tem o direito de apedrejá-la até a morte e que escravos para nos servirem podem ser adquiridos entre os povos circunvizinhos e também entre os filhos dos estrangeiros que habitarem entre nós. Sendo assim, não lhe parece que as acusações contra a Zara são heresias, visto que a Bolívia faz fronteira com nosso país? A lei Maria da Penha não precisa ser revista?

De todo modo eu nunca conheci nenhum irmão ungido em Cristo e que condena a homossexualidade com argumentos bíblicos dizendo que os bolivianos escravizados são de povos circunvizinhos, então pode. Se existem devem ser uma minoria. E é um raciocínio complicado demais pra mim , que a glória do Senhor ainda não me concedeu, compreender como eu posso acreditar que a Bíblia seja uma revelação divina que deve ser seguida com fé absoluta, mesmo quando já se considera que ela não pode mais ser, ou então pela lógica comum eu teria que defender também o marido que apedreje a mulher até a morte por um motivo considerado válido.

O pensamento utilizado pelos fiéis e talvez por vossa excelência para superar esse paradoxo parece conter alguma sutileza que eu gostaria que me fosse explicada. Acredito que seja algo semelhante ao que George Orwell chamou de duplipensar, defender simultaneamente duas opiniões opostas, sabendo-as contraditórias e ainda assim acreditar em ambas. No caso, acreditar numa verdade absoluta e sujeita a equívocos. Como é feita essa manobra mental de induzir conscientemente a inconsciência, e então, tornar-se inconsciente do que se acaba de realizar para mim permanece um mistério que seus discursos não tem ajudado a desvendar.

É por isso talvez, por essa impossibilidade de me render a uma fé que me parece absurda, que eu desconfio que a Bíblia, mais especificamente o velho testamento, tenha surgido na verdade para justificar uma certa ordem, manter essa ordem numa época em que a aristocracia aceitava a escravidão, em que as mulheres eram submissas, e que as populações por serem dizimadas em constantes guerras e epidemias, precisavam que homens e mulheres acasalassem e gerassem o máximo de filhos possíveis. Acredito também que escravos gays que não se reproduzissem perderiam muito o seu valor e que famílias com bastantes filhos eram vantajosas para o trabalho nos sistemas feudais.   A situação complica porque na medida em que o mundo se transforma, que a razão e a ética humana estabelecem limites menos tolerantes para a barbárie ou a ciência derruba por completo algum dogma, as igrejas são obrigadas a esquecer o que diziam antes e se adaptar outra vez ao cenário. Mas elas geralmente demoram muito tempo pra mudar de ideia sobre o que quer que seja que tenham afirmado – vide Darwin e a evolução das espécies, que algumas provavelmente não aceitarão nem se uma macaca parir um ser humano e também a Terra girar ao redor do Sol, que só aceitaram depois de não haver mais como negar e da igreja católica tentar queimar todos os que diziam isso. O que é totalmente compreensível, já que cada vez que o duplipensar tem que ser aplicado, muitos fiéis são vencidos pela lógica e as abandonam.

Considero, em função desses problemas, que a sacralização da Bíblia possa ter sido apenas uma ideia genial a serviço de uma aristocracia em busca da manutenção do poder estabelecido. Inventou-se então um sistema de vigilância em que o ser mais poderoso de todo o universo observa a tudo e a todos o tempo inteiro, em qualquer lugar, inclusive em pensamento, e que se não forem feitas as suas vontades explicadas na Bíblia, ele não mais nos defenderá de outro ser, não tão forte só que muito mais malvado e que quer você como escravo num lugar pegando fogo. Por outro lado, o ser mais poderoso,  o filho dele e todo o resto da família te amam muitíssimo, suprem todas as suas carências e não só te salvam desse trágico destino, como te esperam num paraíso eterno (que não me parece muito bem definido, o que me faz pensar que seja na verdade a ameaça do inferno que conquiste os fiéis) se você aceitar as condições impostas. A principal delas é acreditar que isso seja verdade. Questionar que possa ser mentira é uma das coisas proibidas, buscar argumentos contrários então, inferno na certa, por isso religião não se discute.  Até aí está certo? Porém se essas dúvidas não forem esclarecidas eu não consigo acreditar. E sendo assim, como exposto no início, religioso o único argumento homofóbico, parece-me que caso as igrejas novamente sejam obrigadas a mudar de opinião e reconhecer outra vez que estavam erradas, o prejuízo já terá sido grande demais, intolerável, causa de um sofrimento desnecessário para muitos bilhões de pessoas em séculos de perseguição, entre elas grandes ídolos e gênios, Leonardo da Vinci, Rimbaud, Wittgenstein, Foucault, Tchaikovsky, Wilde.   Pode significar a derrocada final rumo ao descrédito e por isso não será simples mudar de ideia agora.

Creio também que se o estado não tivesse nada de religioso, a homossexualidade poderia ter sido incentivada, como forma de controle populacional, e o mundo seria um lugar melhor. O que eu não tenho tanta certeza é se a orientação sexual pode mesmo sofrer influência determinante por meio de incentivos. Não reprimir me parece suficiente, talvez como fizesse a Grécia anterior ao cristianismo. Sobre esse tema vossa excelência se posiciona de maneira  bastante clara e prova disso é a defesa entusiasmada à proibição do kit anti-homofobia do MEC (chamado pelo senhor de kit-gay), pelo que eu li, principalmente em função de um vídeo que diz que os bissexuais tem mais chance de transar. O dobro de chance. Nesse caso eu concordo com a matemática e com o argumento. Talvez  isso de fato incentive as crianças a serem bissexuais e não apenas auxilie no combate à homofobia. Concordaria também com algum deputado que afirmasse ser essa a ideia. Livrar-nos no futuro da programação mental, social, genética ou o que quer que nos leve a escolher entre os sexos. O amor livre para se manifestar entre todos os corpos. Desconsidere a ameaça do castigo divino nos moldes de Sodoma e Gomorra a se abater sobre todos os que não sejam heterossexuais e exclua também a possibilidade de um espancamento com lâmpadas e pontapés na Avenida Paulista, eu acredito que todos gostaríamos de ser bissexuais. É o dobro de chance de transar, de se apaixonar. A meu ver restaria saber apenas se esses incentivos tem mesmo algum efeito e se a psicologia e outras ciências podem também nos ajudar nesse objetivo. Talvez precisemos de instrumentos mais sofisticados, visto que igreja, repressão e violência não foram suficientes para uma heterossexualidade absuluta. Mas se na visão de vossa excelência esse ponto ou qualquer outro dessa carta forem falsos, por favor, corrija-me.

Anúncios

One thought on “CARTA AO DEP. JAIR BOLSONARO

  1. muito boa Leonardo!! olé!!! mesmo!!! pois esta “figura” (devidamente clicada em seu estado ‘normal’) precisa ainda ouvir muita coisa boa pra acordar aqueles “tico-e-teco” (ambos seguramente heterossexuais) que habitam, dioturnamente perfilados, na caixola do citado… (e olha que você nem citou a pedofilia desenfreada dos padrecos?! talvez com muito medo de que um raio lhe caísse -imediata e inexoravelmente- na cabeça!)…

    parabéns!! pela linha de pensamento e clara argumentação também em outros posts;
    já estás em meus favoritos, pois filosofia está sendo um agradável vinho que estou começando a apreciar, agora que também (penso) estou mais maduro…

    cheguei até aqui através do artigo no Diário do Centro do Mundo, que imprimi e levei pra minha mulher (formada em psicologia), que adora assistir estes “reallity’s”, alegando adorar estudar os comportamentos humanos… (isto pode ser fonte pra um novo post?)

    abraço (totalmente hetero e) fraterno!
    Márccio Campos
    rio de janeiro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s